Safra da laranja segue com preços estáveis no Paraná

Safra da laranja segue com preços estáveis no ParanáO preço da laranja de mesa tem se mantido favorável ao produtor no andamento da colheita da safra paranaense. Nesta semana, o valor pago pela caixa de 23 quilos ficou em R$ 11,92, contra R$ 12,13/caixa contabilizado na semana anterior, segundo dados fornecidos pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab).

Paulo Andrade, engenheiro agrônomo do Deral, afirma que os valores atuais recebidos pelos produtores de laranja de mesa seguem remuneradores. Com relação aos preços pagos aos fruticultores que destinam a produção para as indústrias de suco, o agrônomo avalia que os preços variam de acordo com o contrato estabelecido com cada uma delas.

Andrade destaca que à medida em que a colheita da laranja for se intensificando, os preços podem arrefecer. Neste ano, a produção paranaense total de laranja deve ser semelhante à de 2014, quando foram colhidas 960 mil toneladas da fruta. A área plantada no Estado é de 26,6 mil hectares e se concentra principalmente na região Noroeste do Paraná.

Ciro Daniel Marques, engenheiro agrônomo do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), confirma que os preços seguem remuneradores, mas os custos de produção também têm aumentado. Atualmente, o valor gasto para produzir uma caixa de 23 kg de laranja de mesa tem ficado cerca de R$ 5,30 a mais em relação ao mesmo período do ano passado. Ele destaca que a tendência é de que os custos aumentem ainda mais devido à valorização do dólar frente ao real.

Indústria

Na Integrada Cooperativa Agroindustrial, o preço médio recebido pelo produtor de laranja tem ficado na casa dos R$ 11, ante os R$ 10/caixa pagos aos cooperados no mesmo período do ano passado. Paulo Rizzo, gerente da unidade industrial de sucos da cooperativa, afirma que esses valores podem mudar durante o andamento da safra. Na opinião dele, esses preços são remuneradores.

Contudo, ele avalia que a rentabilidade varia de acordo com os índices de produtividade das lavouras. Rizzo explica que os atuais preços só são remuneradores em propriedades que tenham produtividade acima de 2,5 caixas de laranja por árvore. Ele conta que há produtores cooperados que conseguem retirar até três caixas por pé.

Com um terço da safra já colhido nos 26 municípios do Norte do Paraná, área de atuação da cooperativa, a Integrada espera processar entre 1,5 milhão e 1,7 milhão de caixas de laranja, ante 1,3 milhão de caixas processadas no ano passado. A produção deste ano deve gerar 6,5 mil toneladas de suco de laranja concentrado.

Rizzo destaca que o preço da tonelada do suco concentrado colocado no porto está menor neste ano devido ao ajuste de preços no mercado internacional. Contudo, ele avalia que o dólar valorizado tem gerado uma boa rentabilidade para os produtos exportados. No momento, o valor do concentrado colocado no porto está em US$ 1,6 mil a tonelada, ante US$ 1,7 mil/t se comparado com o mesmo período do ano passado.