Redução da margem dos frigoríficos pressiona mercado do boi gordo

A baixa oferta de boiadas dificulta a formação de escalas das indústrias paulistas, que atendem em torno de três a quatro dias, muitas vezes com falhas e redução do volume de abate.

Porém, a recente desvalorização em algumas regiões produtoras evidencia a pressão dos frigoríficos sobre as compras, na tentativa de recuperar a margem de comercialização, que teve significativa queda este ano.

A lentidão no escoamento de carne no atacado, associada às recentes valorizações da arroba do boi gordo, ocasionou este quadro.

Para os próximos dias existe uma perspectiva de aumento no consumo de carne devido à entrada do mês e proximidade com o pagamento dos salários. Contudo, o momento é de cautela. A situação econômica do país não tem permitido incrementos significativos no consumo.

De qualquer maneira, a oferta de bovinos terminados não deverá melhorar em curto prazo.