Pesquisa aponta média de 60 milhões de sacas para nova safra de cafés do Brasil

A Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), junto com a Embrapa Café, divulgou o Sumário Executivo do Café – Fevereiro 2020, que permite realizar uma análise da safra da cafeicultura mundial.

A produção global de café estimada para a presente safra de 2020, consideradas as espécies de arábica e canéfora, foi calculada em aproximadamente 169,3 milhões de sacas, volume que representa uma redução de 3% em relação à anterior. Nesse contexto, a produção global de café arábica será de 95,8 milhões de sacas (que correspondem a 56,6%) e a de canéfora, 73,5 milhões de sacas (43,4%).
O Brasil deverá colher entre 57 e 62 milhões de sacas, o que dá uma média de 60 milhões de sacas, das quais aproximadamente 45 milhões são da espécie arábica e 15 milhões de sacas de canéfora. Este número total representa aproximadamente 35% do total da produção mundial no presente exercício. O Vietnã, que é o segundo maior produtor de café do mundo, tem sua safra estimada em 32 milhões de sacas, volume que corresponde a 19% da produção mundial. Em seguida a Colômbia, que deverá produzir 14 milhões de sacas, se tornando o terceiro maior produtor de café, com 8,5% do volume em nível mundial.

Em relação à produção mundial de café da espécie arábica, vale destacar que nesta safra de 2020 o protagonismo dos Cafés do Brasil será bastante expressivo. Em uma área plantada de 1,52 milhão de hectares, com produtividade média em torno de 30 sacas por hectare, a produção brasileira de arábica está estimada num intervalo que varia de 43 a 46 milhões, com média de 45 milhões de sacas, que representam, aproximadamente, 46% do total da produção mundial dessa espécie.

Minas Gerais segue como o maior estado produtor de café arábica, com uma produção prevista de aproximadamente 31 milhões de sacas, equivalente a 69% da produção brasileira e 32% da mundial dessa espécie. A Colômbia, segundo maior país produtor de café arábica, deverá produzir 14 milhões de sacas, que representam 15% do total produzido no mundo em 2020.

Com relação exclusivamente ao café canéfora (conilon), a produção mundial está estimada em 73,6 milhões de sacas de 60 kg, das quais o Vietnã será responsável por 31 milhões de sacas, se destacando como o maior produtor da espécie com 42% da produção mundial em 2020. No caso do Brasil, em uma área de 371 mil hectares, com produtividade média de 41 sacas por hectare, o País deverá produzir entre 14 e 16 milhões de sacas, o que representará aproximadamente 20% da produção mundial de canéfora (conilon) em 2020.

Com essa performance o Brasil se posiciona como o segundo maior produtor da espécie de canéfora (conilon) em nível mundial. O Espírito Santo, segundo maior estado produtor de café no Brasil, produzirá nesta safra em torno de 10 milhões de sacas dessa espécie, sendo responsável por 66% da produção brasileira de canéfora (conilon) e 14% de toda a produção mundial dessa espécie