Especialista recomenda atenção às doenças respiratórias no confinamento

O confinamento está em franco crescimento no Brasil. Levantamento da Associação Nacional dos Confinadores (Assocon) indica a terminação de 4,1 milhões de cabeças/ano por essa técnica. Assim, nunca foi tão importante fazer o manejo sanitário correto dos animais, incluindo a prevenção e o combate de enfermidades de grande impacto econômico, como os problemas respiratórios em bovinos (DRBs). A redução de perdas possibilita aos produtores obter alta produtividade dos animais e, assim, aproveitar o bom momento da pecuária.

As DRBs estão entre as maiores preocupações sanitárias no sistema de confinamento, pois quando o animal é acometido por esses problemas há reflexo imediato no seu desenvolvimento, podendo gerar perdas a todo o projeto.

“Os animais doentes não conseguem atingir seu potencial máximo, pois não aproveitam a alimentação fornecida, gerando perda de peso e atraso na terminação. Por isso, a preocupação com o manejo sanitário nesse sistema de produção deve ser constante, uma vez que os animais ficam confinados e a intensificação favorece o aparecimento e a disseminação de algumas enfermidades infecciosas, principalmente nas três semanas iniciais à chegada do animal devido ao estresse causado pelo transporte e ao período de adaptação ao novo sistema”, alerta o médico veterinário Roulber Silva, gerente de serviços técnicos da Merial Saúde Animal.

Entre as causas que podem favorecer a enfermidade estão o estresse gerado pelo transporte, alojamento inadequado ou mudanças climáticas. Isso pode interferir na imunidade do aparelho respiratório, aumentando as chances de proliferação da doença.

“Os prejuízos causados por doenças respiratórias podem ser muito expressivos quando a enfermidade não é tratada a tempo e da maneira correta. O tratamento rápido e adequado é a melhor receita para evitar grandes prejuízos econômicos”, reforça Rouber Silva.

Inovação para o confinamento – A Merial, líder em saúde animal, trouxe para o Brasil Zactran®, solução para tratar e prevenir com eficiência as doenças respiratórias em bovinos de corte e leite, especialmente em sistema de confinamento. Zactran possui como princípio ativo a molécula Gamitromicina, da classe dos macrolídeos, desenvolvida e patenteada pela Merial e de uso exclusivo na medicina veterinária.

A nova tecnologia da Merial diferencia-se dos demais antibióticos por ter ação rápida e potente contra bactérias, tanto gram positivas quanto gram negativas. Em 30 minutos após a aplicação subcutânea Zactran atinge concentrações pulmonares acima da CIM90 – concentração inibitória efetiva para eliminar as bactérias causadoras de doenças. Já o pico máximo de concentração no tecido pulmonar ocorre em até 12 horas e em até 24 horas nas células do pulmão e nos líquidos pulmonares, provocando a morte das bactérias, apresentando rápida eficácia terapêutica, protegendo o animal em tempo recorde.

 

Agrolink com informações de assessoria