quinta, 23 outubro 2014
Início arrow Economia Rural arrow Laudo condena 18 marcas de leite, aponta Procon
Início
Contato
Cotações
Política Rural
Sanidade Animal
Economia Rural
Novidades do Campo
Agronegócio
Meio Ambiente
Fazendas Produtoras
Informações Técnicas
Tecnologia de Produção
Eventos
Mapa do Site
separador.jpg
Esse assunto me interessa!
 
visitas.jpg
Visitas: 5064046
Bem Vindos ao site Noticias do Campo
banner1.gif
Laudo condena 18 marcas de leite, aponta Procon

O resultado de análises sobre a qualidade do leite vendido em Goiás, que será divulgado na próxima segunda-feira pelo Procon-Goiás, condena 18 marcas do produto. Das 19 marcas de leite pasteurizado tipo C que passaram pelas análises laboratoriais do Centro de Pesquisa em Alimentos da Universidade

Federal de Goiás (UFG), 12 foram reprovadas pelos laudos. Também foram analisadas 24 marcas de leite longa-vida, das quais 6 não passaram no teste de qualidade. De acordo com o superintendente do Procon-Goiás, Antônio Carlos de Lima, os resultados parciais indicaram que as marcas que apresentaram problemas continham coliformes fecais, coliformes totais e até a adição de substâncias químicas impróprias à saúde, como hidróxido de sódio (soda cáustica) e acetona. As empresas responsáveis pela fabricação dos produtos condenados, informa, já estão sendo autuadas. O resultado será enviado à Polícia Federal para abertura de inquérito policial dentro da Operação Ouro Branco. "Muitas são marcas conhecidas no mercado, o que deve surpreender o consumidor", adiantou Antônio Carlos. Segundo o superintendente do Procon-Goiás, os resultados encontrados foram piores do que era esperado. Ele afirma que o problema é resultado de falhas na fiscalização de órgãos como a Vigilância Sanitária, Agrodefesa e Ministério da Agricultura. Audiência Os deputados da Comissão de Agricultura da Câmara Federal aprovaram, quarta-feira, requerimento para realização, em caráter de urgência, de uma audiência para discutir o problema da fraude do leite. A data da audiência não foi marcada. Em Goiânia, o presidente da Federaçã da Agricultura de Goiás (Faeg), Macel Caixeta, defendeu ações do Ministério Público e da Polícia Federal. O assunto será discutido hoje, em reunião da Comissão de Pecuária de Leite da entidade. Em continuidade às medidas tomadas pelo governo federal relativas à Operação Ouro Branco, desde ontem, técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) fazem operação conjunta em Uberaba (MG). O objetivo da ação é rastrear o leite longa-vida adulterado por duas cooperativas do Triângulo Mineiro no processo de produção. As irregularidades foram constatadas pela Operação Ouro Branco, deflagrada pela Polícia Federal, que prendeu 27 pessoas.
Fonte: O Popular
 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
banner_rical.gif
anuncio.gif
anuncio.gif

Indicadores

Tempo